sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Celebrando dezembro, janeiro, fevereiro...



Em minha infância, dezembro era sinônimo de celebração: férias, presentes no Natal e mais férias. Férias! Como eram bem-vindas!
Correr no pomar do sítio, sem nenhuma preocupação de tempo: perder horas olhando ninho de passarinho, cutucando bicho de goiaba, espremendo amora caprichosamente pra ficar com as unhas pintadas de roxo, seguir carreiro de formiga só para incomodá-las com uma pista de obstáculos — pedras de todos os tamanhos, gravetos, buracos e fendas, verdadeiros canyons em minha imaginação — e depois chupar manga no pé, lá no alto da mangueira, onde as mais amarelas e doces teimavam em ficar, e então levar um tempão para descer, assustada com o vento e as sombras, enxergando um saci pronto a me castigar pelo ovo derrubado do ninho da sabiá.
Um grito distante, um chamado, me trazia o conforto da realidade. E a voz paterna que enchia o pomar com meu nome me dava forças para vencer as sombras do final da tarde. E voltava eu para casa — correndo.
A infância devia ser designada como a idade da velocidade. O tempo era precioso: um sopro mágico que balançava meus cabelos, refrescando meu rosto sempre molhado, ora com água da bica, ora com o suor da correria. Nas manhãs das férias eu me vestia apressada e corria do quarto para ver o dia na varanda. Vai ter sol ou vai chover? Sob o sol, brincadeiras mil com a companhia inseparável de meus primos Walter, Maria Dirce e Antoninho, que atravessavam a rua voando, prontos para aventuras inesquecíveis. Sob a chuva, bolos de chocolate de barro, banho de enxurrada e deslizamento na grama encharcada, até que algum adulto percebesse e encerrasse minha carreira matinal com um banho quente na tina. Então, sentindo-me presa em casa, corria para meus livros prediletos, pronta para uma aventura com Narizinho. No Natal, mais livros vinham me acompanhar, e assim podia chover ainda mais no final de dezembro, e em janeiro inteiro também, que eu nem ligava. Lendo, eu continuava a correr, a pular e até... voava.
Por vezes retomo a idade da velocidade com novos parâmetros — computador, megabytes, internet — e faço meu próprio tempo. Ele, o tempo, continua a ser o mesmo de minha infância — um sopro mágico que desliza ágil por meus dedos —, mas não me coloca mais para correr. Agora ele é partilhado com outros prazeres, sem o rubor da correria infantil, mas com o tato, o abraço, o toque calmo e quente que acolhe, acalma, acalenta e que me leva a querer celebrar todos os meses, não só dezembro.
E hoje, adulta, às vezes reencontro a menina que, correndo, me empurra ladeira abaixo. Nesses momentos, o joelho esfolado ou o mau jeito nas costas me colocam de volta na idade certa. É quando refaço caminhos e trilhas, avaliando o tempo gasto. O mesmo precioso tempo que pode me deixar envergonhada pelas bobagens feitas, ditas, escritas, e que da mesma forma pode me levar a rir de tais feitos, ditos e escritos. É o tempo que brinca com minha vida e que se materializa anualmente, sempre em dezembro, renovando o ritual de encerramento do ano, como se exigisse um balancete final. Fico cabisbaixa — por vezes rígida e exigente; em outros momentos, flexível e compreensiva — até concluir um relatório satisfatório, me concedendo outro ano, em que usarei o tempo me aperfeiçoando como uma pessoa melhor.
Com o balancete aprovado, vou gastar meu tempo prazerosamente até dezembro do ano seguinte. O tempo me confidenciou que a melhor moeda de troca é o prazer: celebrar a vida como uma manga madura que escorre pelo queixo.
____

Dezembro de 2007.

Crônica que dá nome ao meu livro Celebrando dezembro, janeiro, fevereiro... – Editora Letra Livre, Campo Grande, MS, 2014.


IMAGEM: Estou cantando, com uma lata de goiabada na cabeça, com meus primos Walter Amaral, Antoninho (o menor) e Maria Dirce. 

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Livro, presente de amigo!



Para todos os tipos de amigos... secretos, públicos, insubstituíveis, próximos, distantes, adorados, suportados, dissimulados ou escancarados. Aqui vai a dica de um livro para ser presenteado: Celebrando dezembro, janeiro, fevereiro..., com 71 crônicas ilustradas por 71 fotos, em 312 páginas, por somente R$ 20,00 (vinte reais).

Em Dourados, ele está à venda na Livraria Canto das Letras (Weimar Torres).
Em Campo Grande, nas livrarias Leparole (Euclides da Cunha) e Leitura (Shopping C. Grande).

Divirtam-se! (Modéstia às favas.)


 

Blog da Maria Eugênia Amaral Copyright © 2011 -- Powered by Blogger